Introdução Histórica
A Ozonoterapia é um conjunto de técnicas que utilizam o Ozono como agente terapêutico num grande número de patologias. É uma terapia totalmente natural com poucas contraindicações e efeitos secundários mínimos, sempre que se realize corretamente.
A história da Ozonoterapia começa na Alemanha. O percursor do uso do Ozono foi Werner von Siemens, que em  1857 construiu o primeiro tubo de indução de administração de Ozono para a destruição de microrganismos. As primeiras utilizações remontam à Primeira Guerra Mundial, onde foi utilizado como antiséptico local para tratamento das feridas de guerra. Posteriormente, estendeu-se a todo o mundo aumentando as suas indicações terapêuticas.
Em Portugal, o primeiro curso de Ozonoterapia Médica foi efetuado em 2004 e atualmente a técnica está amplamente divulgada, sendo implementada  em diversas unidades públicas e privadas; está regulamentada como terapia médica da Nomenclatura da Ordem dos Médicos de acordo com a publicação do Dec-Lei Nº 163/2013 de 24 de Abril.

O que é a Ozonoterapia?
A Ozonoterapia é uma técnica terapêutica que recorre ao ozono (O3). O ozono é facilmente assimilado pelo corpo humano, em que a molécula extra de oxigénio presente no ozono separa-se, deixando apenas o oxigénio (O2). Esta separação permite, em simultâneo, elevados processos de oxigenação e de oxidação, que se revelam eficazes no tratamento de uma alargada variedade de patologias.
Destacamos as seguintes propriedades do ozono:
Analgésicas, anti-inflamatórias, drenantes.
Ajuda na desintoxicação.
Promove a decomposição do colesterol e triglicerídeos.
Aumenta o metabolismo celular.
Reduz o nível de ácido úrico.
Aumenta o fluxo sanguíneo.
Após o tratamento com ozono, o sangue melhora a sua capacidade para circular através dos capilares mais estreitos, melhorando assim a micro circulação. Para além disso, os eritrócitos ou glóbulos vermelhos desagregados e suavizados melhoram a capacidade de absorver e transferir oxigénio, entre outros fatores, pela maior superfície de contacto livre e deformabilidade.
Aumenta a quantidade de oxigénio disponível, permitindo maior oxigenação dos tecidos.
A pressão do oxigénio arterial aumenta e a pressão de oxigénio venosa diminui, melhorando a oxigenação celular. Observa-se um aumento no 2,3 DPG (Difosfo Glicerato), o que facilita a troca de oxigénio retido na oxihemoglobina e nos glóbulos vermelhos.

Elimina todo o tipo de bactérias, vírus e fungos;
É um potente cicatrizante;
Potencia o sistema imunitário:
Sob o efeito dos metabolitos do O3, evidencia-se um aumento na proliferação e atividade dos linfócitos e macrófagos, assim como aumentos nas interleucinas, citoquinas e imunoglobulinas.

Limpa as “gorduras” acumuladas nas artérias;
É um revitalizante, antioxidante e um potente aliado no combate aos radicais livres:
Estimula processos enzimáticos de base que condicionam a correta nutrição das células, a capacidade de produzir espécies moleculares condicionadas à produção de energia celular, e a melhoria das funções gerais das células humanas.

Resumindo, a mistura de O3-O2 origina uma reativação da respiração intracelular a nível mitocondrial, ao aumentar a concentração de oxigénio no sangue arterial. Tem assim um efeito revitalizante no paciente ao restaurar o metabolismo do oxigénio anteriormente perturbado, produzindo efeitos imunoestimulantes, desintoxicantes e anti-infecciosos.
Todas estas características citadas anteriormente fazem da Ozonoterapia um tratamento versátil e cada vez mais popular, tratando-se de um dos mais poderosos antioxidantes dos nossos dias, pela estimulação que exerce na produção de enzimas antioxidantes endógenas.

Para que serve a Ozonoterapia? 
São inúmeras as situações em que se pode recorrer à Ozonoterapia, sendo que esta é sempre adequada a cada caso específico. Posto isto, a Ozonoterapia está indicada em diversas patologias, tais como:
– Asma;
– Enxaquecas;
– Cansaço e fadiga;
– Artrite;
– Artrite reumatóide;
– Arteriosclerose;
– Hérnia discal;
– Dores lombares;
– Angina de peito;
– Acne;
– Eczemas/Dermatites;
– Micoses;
– Diabetes Mellitus;
– Alergias;
– Obesidade/ Excesso de Peso;
– Varizes;
– Desintoxicação das vias biliares, fígado, rins e intestinos;
– Fístulas;
– Doença de Alzheimer;
– Doença de Parkinson;
– Esclerose Múltipla;
– Alivia vários tipos de dores;
– Tratamento de diversos tipos de infeções;
– Combate à celulite;
– Tratamento de gordura localizada;
– Tratamento antienvelhecimento;
– Tratamento desintoxicação (detox);
– Síndrome de fadiga crónica e fibromialgia;
– Odontologia relacionada com lesões de cáries primárias, particularmente em crianças;
– Estomatologia para infecções crónicas e recorrentes da cavidade oral;
– Doenças infecciosas agudas e crónicas, particularmente causadas por bactérias resistentes aos antibióticos ou aos tratamentos químicos, vírus, fungos (hepatites, HIV – SIDA, infecções herpéticas e herpes zooster, infecções de papiloma por vírus, onicomicoses e candidíase, giardíases e criptosporidioses);
– Candidíases vaginal e bartholinites;
– Doenças auto-imunes (esclerose múltipla, artrite reumatóide, doença de Crohn, psoríase);
– Demência senil;
– Doenças pulmonares: Enfisema, doença pulmonar obstrutiva crónica, fibrose pulmonar idiopática e  insuficiência respiratória aguda;
– Metástases de cancro.

Processo de aplicação da Ozonoterapia
Existem várias formas de efetuar um tratamento de Ozonoterapia, sendo os seguintes processos de aplicação os mais populares:
Auto-hemotransfusão (intravenoso): utiliza-se um aparelho gerador de ozono. Retiramos sangue ao doente e depois acrescentamos ozono ao sangue; esta mistura é depois reintroduzida no organismo;
Injeção subcutânea: tal como o próprio nome indica, o ozono é injetado na zona subcutânea da pele;
Hidroterapia com ozono: o ozono é diluído em água e pode ser ingerido ou aplicado diretamente na zona do corpo a tratar;

Vapor: o ozono é aplicado no corpo através de vaporizações;
Óleos ozonizados: óleos embebidos em ozono são aplicados com movimentos de massagem diretamente na zona do corpo a tratar;
Insuflação retal;
Insuflação vaginal;
Injeção intra-articular;
Micro doses em pontos de gatilho e de acupuntura.

IMPORTANTE: a utilização do ozono deverá ser sempre preconizada por um profissional médico e de enfermagem qualificado, visto que se trata de um gás que não deve ser inalado, nem introduzido diretamente na corrente sanguínea. A ozonoterapia é um ato médico.

 

Propriedades, Vantagens e Utilidades.

As células normais produzem enzimas, coenzimas  e outros antioxidantes que as protegem dos efeitos agressivos degenerativos das ROS (espécies reativas de oxigénio) e EMODs (derivados de oxigénio eletronicamente modificados). As células anárquicas não produzem  estas enzimas e coenzimas, o que as torna vulneráveis á atividade oxidante do ozono. O Ozono induz a formação de antioxidantes específicos, nas várias células dos variados tecidos orgânicos, aumentando assim a resistência endocelular à anarquização metabólica e sua desestruturação morfológica, inibindo a sua degeneração. A formação destes antioxidantes, (ex: glutatião peroxidase catalase e superóxido dismutase) é induzida por ativação do ciclo de Krebs (ácidos tricarboxílicos) por incremento da carbonilação oxidativa do piruvato com estimulo da produção de ATP (trifosfato de adenosina), originando ainda uma produção da NADH (nicotinamida adenina dinucleótido) e consequente oxidação do citacromo C.

Desta forma as células normais tenderão a ocupar progressivamente o espaço das células tumorais, impedindo o seu crescimento local e a metastização. O Ozono induz a oxigenação celular o que contribui para diminuir a resistência e mecanismos de defesa das células anárquicas que se revelam avessas à oxigenação.A estimulação de células NK, células T e fator NrF2, pelo ozono confirma os seus efeitos anti-neoplásticos. O ozono também modula o sistema imunológico e exerce acentuados anti-inflamatórios, o que induz uma cascata de sinergismos bioquímico-fisiológico capazes de contrariar a evolução tumoral. Os seus efeitos antinociceptivos (redutores da perceção e transmissão de estímulos que causam dor) são ainda uma mais valia, não só no que respeita a neoplasias, mas também no que respeita a outros processos inflamatórios e degenerativos, como por exemplo, doenças auto-imunes, perturbações do aparelho locomotor em particular osteoartrose e tendinites, em que o ozono  revela-se eficaz em várias vias de administração, incluindo a via oral.

Benefícios do Ozono

Aplicações Recomendações e Eficácia.O ozono é um gás com cheiro característico, sendo molecularmente constituído por três átomos de oxigénio, pouco estável, com um tempo médio de vida de 40 minutos aos 20°C e de 140 minutos aos 0°C, sendo fundamental na proteção da vida humana no planeta, através da apelidada camada de ozono, filtrante da radiação ultra-violeta, existindo também à superfície da Terra em muito baixas concentrações.Apesar de possuir toxicidade em dosagens elevadas, o ozono é uma substância com enorme potencial na prevenção e tratamento de diversas patologias, existindo extensa evidência científica a fundamentar a sua eficácia e utilização.

Informações retiradas de Triox Natural Ozone. 

 

Saiba mais sobre Ozonoterapia:
– Ozone oxidative preconditioning: a protection against cellular damage by free radicals
– Declaração de Madrid sobre Ozonoterapia – 3 e 4 de junho de 2010
– Carta Profesor Velio Bocci

 

Clique aqui para mais ver outros artigos científicos sobre Ozonoterapia.