Médicas

Brevemente.

Os sistemas R.A.M.
Baseados na concepção do campo M (mórfico) de Rupert Sheldrake, a teoria dos biocircuitos e as bio-ressonâncias, os sistemas R.A.M. (sigla para ressonadores de arquétipos mórficos), formam parte duma nova proposta clinica para a prática da bio-ressonância, desde a perspectiva duma combinação dos princípios da ressonância mórfica e as teorias dos bio-circuitos e a terapia com as próprias oscilações.
Partindo das investigações iniciais com as equipas de bio-ressonância fundamentados na transferência, processamento de sinais electromagnéticos desde e para fora do organismo, a nossa investigação clínica com bio-ressonadores incluía inicialmente a utilização do princípio da reflexão e da inversão de padrões de ondas através de espelhos e fibra ótica. A utilização de bio-circuitos metálicos convencionais, e o estudo de transferência da informação biológica através de diferentes tipos de condutores, incluindo os orgânicos. O maior significado de estes trabalhos clínicos, confluem em uma série de tecnologias apropriadas para a prática das bio-ressonâncias em Sintergética, os sistemas RAM cujo princípio é uma forma de ressonância não energética, que recolhe e transfere imagens ou padrões complexos entre as diferentes somatotopias e  sistema nervoso central, restabelecendo a comunicação entre os diferentes sub-sistemas do sistema de informação biológico. Os RAM supõem a presença no organismo de sistemas de condução de informação diferentes aos classicamente reconhecidos, e a presença de novas representações funcionais a nível do sistema nervoso, que se consideram nos seminários de Sintergética.
O sitema RAM desencadeia uma cascata de intercâmbios de padrões complexos de informação, que ao restabelecer a comunicação entre os diferentes sub-sistemas do sistema energético vital, permite que se instaurem processos de auto reconhecimento, auto adaptação e auto transformação. Estes favorecem o restabelecimento da integridade, ao permitir que nas partes afetadas se restabeleça a informação na totalidade, a qual constitui condição essencial para uma saúde concebida como integridade harmónica.
As instruções para o seu uso clínico estão reservadas aos profissionais da saúde adequadamente treinados na prática da Sintergética.
A combinação de bio-circuitos tipo RAM permite ao restabelecimento de circuitos integrados de condução de informação e a eliminação da transferência do ruído, e o aumento nos níveis de auto reconhecimento por retroalimentação e reflexão.
Produto de mais de vinte anos de investigações clínicas em torno de terapias com as próprias oscilações, os sistemas RAM incluem os RTX-RAM para reflexoterapia, destinados á integração terapêutica das somatotopias de palmas e plantas, com as somatotopias trigeminais e do sistema nervoso central. Os sistemas CER-RAM propõem um bio-circuito básico, cujos terminais são constituídos por quatro ressonadores que integram a energia reticular. A combinação de ambos sistemas é, na atualidade, a ferramenta básica para a prática clínica da Sintergética, e a sua utilização, mesmo que não se encontre nenhum tipo de contra indicação, está reservada a terapeutas adequadamente treinados. Sua função básica é preparar o terreno para a prática das diferentes medicinas vibracionais, induzindo a um relaxamento, diminuindo o nível de ruído, melhorando os processos de comunicação tissular e servindo como canal para a transferência seletiva de informações terapêuticas. Além disso, permite a preparação de isonosodes vibracionais seletiva.

Brevemente.

A Geometria sagrada trata-se de uma terapia com geometria, uma Medicina Vibracional não invasiva, que expõe arquétipos geométricos harmônicos em proporção que interagem com a energia vital que contribui para a saúde, o aumento da imunidade, diminuição da variabilidade cardíaca e estados profundos de relaxamento.

Brevemente.

Temos vindo a assistir a um aumento acelerado e preocupante, muitas vezes incompreendido de diversas patologias em idade pediátrica.
Se por um lado, o avanço da medicina convencional tem sido notável, por outro lado a sua visão e abordagem parece dar algumas respostas ineficientes face a esta realidade.
Com a Pediatria Integrativa, pretende-se perceber e abordar cada criança, com base estritamente científica, mas não estritamente “convencional”.
Queremos compreender não só a doença, como o paciente e os seus cuidadores.
Acreditamos que o sucesso, quer da prevenção, quer do diagnóstico e tratamento implica uma visão alargada e personalizada (holística) de cada bebé, criança ou adolescente.
Pretendemos conjugar e integrar todos os fatores preponderantes para a saúde e cura de cada criança, na medida em que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, a saúde é o bem-estar físico, psíquico e social.
Assim, são objetivos da Pediatria Integrativa por um lado, promover e readquirir a bio-regulação imunologica de cada bebé, criança ou adolescente, por outro lado, criar uma base para a prevenção e tratamento precoce, eficaz e não danosa para o corpo humano.